CBTM em Análise – Capítulo 4 – Eventos: escolha e execução

20/09/2018 11:11

Neste quarto capítulo da série, vamos explicar como é feito o processo de escolha dos locais e a execução dos eventos da CBTM

FOTO: Equipe de montagem de eventos da CBTM. Crédito: Christian Martinez/RGB Studios.

 

Rio de Janeiro (RJ), 20 de setembro de 2018.

Por: Assessoria de Comunicação – CBTM

Além de realizar a organização do tênis de mesa com uma gestão profissional, de distribuir os recursos de forma adequada para proporcionar a evolução do tênis de mesa e de preparar adequadamente os atletas e seleções para representar o país internacionalmente, a CBTM tem a missão de promover eventos nacionais de tênis de mesa. E como são feitas as escolhas dos locais para a realização destas competições?

O primeiro passo é a candidatura das cidades. Assim como acontece em quase todas as entidades internacionais, como a ITTF, a FIVB, a FIFA ou o COI, somente para citar algumas mais conhecidas, os candidatos devem cumprir uma série de requisitos contidos em um caderno de encargos. No documento, é listada toda a infraestrutura necessária para receber a competição.

Para que se tenha uma ideia, somente para a Copa Brasil, são detalhadas as questões envolvendo as condições de pintura do ginásio, goteiras e correntes de ar, iluminação, área de competição, espaço para mesas de aquecimento, vestiários e banheiros, lanchonete, bebedouros, ambulância ou UTI móvel, sistema de som, Internet, segurança, lixeiras, salas de apoio e controle, cerimônia de premiação, pagamento das despesas diversas, transporte de todo o material de competição, premiação, banners, transporte e alimentação de organizadores e árbitros, hospedagem e staff local.

“Levamos em conta as parcerias locais que nos apoiam em importantes itens que temos detalhados neste caderno, sem se esquecer da qualidade dos locais que irão receber as competições, da rede hoteleira, das condições para os atletas fazerem as refeições e do porte das cidades para facilitar os deslocamentos internos. Os candidatos que não tenham um aeroporto para voos comerciais regulares, deverão ter um aeroporto com estas características em um município próximo”, explica Edir Oliveira, coordenador de marketing da CBTM.  

Realizar uma competição com centenas de atletas envolve uma quantidade imensa de profissionais responsáveis, entre as gerências, comissão organizadora, staff, arbitragem, fisioterapia, imprensa, fotografia, entre outros. Somente a equipe da CBTM nos eventos conta com 40 a 70 integrantes.

Após as vistorias das possíveis sedes dos eventos e a aprovação do calendário oficial da entidade, é realizada a captação de recursos e a divisão entre os diferentes apoiadores (cidade sede, COB, CPB, Caixa) a execução de cada etapa. Estas ações são lideradas pela equipe de Edir Oliveira, com o apoio dos coordenadores das áreas técnicas, de instalações, de RH e transporte e de hospedagem, alimentação e cerimonial. Posteriormente, são feitos os convites para a arbitragem e a convocação de todos que irão atuar no evento no hotsite da competição, no site da CBTM.

AMANHÃ: As seleções olímpicas da CBTM

Capítulo 1 – O processo de governança e gestão da Confederação

Capítulo 2 – Os processos de compras, contratações e distribuição dos recursos

Capítulo 3 – A participação da comunidade nas decisões

 

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) - Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal - Ministério do Esporte.
 

FATO&AÇÃO COMUNICAÇÃO

Assessoria de Comunicação da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa - CBTM

Claudia Mendes – claudia@fatoeacao.com

Nelson Ayres – nelson@fatoeacao.com

imprensa@cbtm.org.br

fatoeacaocomunicacao@gmail.com

                                                         

Siga a CBTM nas redes sociais:
 
FACEBOOK:
 www.facebook.com/cbtenisdemesa

TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm

INSTAGRAM: @cbtenisdemesa